A dádiva a vida dá

o amor é de longe e de perto
nosso corpo fechado e aberto
o ardor dormente e desperto
nosso porto habitado e deserto

o olhar é raso e profundo
nosso gosto fino e vagabundo
o conselho infértil e fecundo
nosso lar o quintal e o mundo

o espanto é com nada e com tudo
nosso grito grave e agudo
o conflito pequeno e graúdo
nosso dito a lança e o escudo

a ideia aprisiona e liberta
nossa mira erra e acerta
a canção adormece e desperta
nossa dor encobre e alerta

a idade agrava e depura
nossa ânsia retarda e apura
a verdade envenena e cura
nossa rédea solta e segura

a vontade ergue e arruína
nossa ação deseduca e ensina
a ilusão fenece e germina
nossa história começa e termina

o encanto é de noite e de dia
nosso pranto alívio e agonia
o argumento desvio e via
nosso pulso tristeza e alegria

o percurso é curto e comprido
nosso impulso livre e reprimido
o sentido encontrado e perdido
nosso rastro oculto e conhecido

o destino é chegar e ir embora
nosso gesto atrasado e na hora
o momento adiante e agora
nosso tempo é breve e se demora

tudo pode ser uma surpresa
o princípio dita a natureza
a mudança se alcançará
que a dádiva a vida dá

(ouça essa canção no Spotify/Dudu Sperb)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *