Biografia

DUDU SPERB nasceu em Porto Alegre e canta desde criança. Formou-se em Artes Visuais pela UFRGS e no começo de 1988 produziu seu primeiro show, ´Da maior importância´, no qual interpretava canções de Caetano Veloso acompanhando-se ao violão. A partir daí começou a se apresentar em diversos espaços musicais da cidade, como o Porto de Elis, a Casa de Cultura Mário Quintana e o Theatro São Pedro. Entre outros, trabalhou com músicos como Adão Pinheiro, Paulo Dorfman, Cau Karam, Toneco da Costa, Fernando do Ó, Pedrinho Figueiredo, Michel Dorfman, Maurício Marques, Vagner Cunha, Luiz Mauro Filho, Kiko Freitas e Nico Bueno.

Fez vários shows dedicados ao cancioneiro brasileiro e à obra de compositores como Chico Buarque, Noel Rosa, Adoniran Barbosa, ou mesmo a outros intérpretes, como o espetáculo em homenagem a Elis Regina. Participou de diversos projetos, dividindo o palco com artistas locais e de outros estados, caso de Zé Miguel Wisnik, Guinga, Ná Ozetti, Arthur Nestrovski e Milton Nascimento.

Em 2003 lançou o livro/CD de canções tradicionais francesas para crianças “Comptines à jouer”, pela Aliança Francesa de Porto Alegre, sendo responsável pelos arranjos, a execução dos vários instrumentos, os desenhos e a arte final.

Em 2005 estreou o espetáculo ´Arrabalero´, no Teatro do Museu do Trabalho, interpretando gêneros variados como tango, bolero, milonga, choro, marchinha e samba. Comentando influências da música do Rio Grande do Sul, estava acompanhado por Toneco da Costa no violão (e arranjos), Renato Müller na gaita-ponto, Clóvis Boca Freire no baixo acústico e Fernando do Ó e Giovani Berti nas percussões. O show foi indicado ao Prêmio Açorianos de Música daquele ano na categoria Melhor Espetáculo e circulou por vários espaços de Porto Alegre e pelo interior do estado. Em março de 2008, lançou o CD ´Arrabalero´, executado com financiamento parcial do Fumproarte e produção de Arthur de Faria.

Voltou a se dedicar à obra de Caetano Veloso no show “Coração Sol”, em 2011. Junto com o violinista Vagner Cunha e o pianista Luiz Mauro Filho, lançou o registro ao vivo desse espetáculo realizado no Foyer do Theatro São Pedro, recebendo indicações ao Prêmio Açorianos de Música de 2015, em duas categorias: Melhor Intérprete (Dudu Sperb) e Melhor Instrumentista (Vagner Cunha).
 
Lançou o CD ´So in Love´, com Michel Dorfman ao piano, em 2016, apresentando canções de Cole Porter e de compositores brasileiros e recebeu três indicações ao Prêmio Açorianos de Música: Melhor Intérprete (Dudu Sperb), Melhor Instrumentista (Michel Dorfman) e Melhor disco de MPB.
 
Em 2018 realizou uma série de shows junto ao violonista e compositor carioca Guinga, no StudioClio, em Porto Alegre. Também nesse ano estreou, com o pianista Michel Dorfman, o show Legrand, com canções do grande compositor francês Michel Legrand. Ainda em 2018, estreou um show em homenagem às compositoras brasileiras, com Antonio Flores, Nico Bueno e Fernando Sessé. 
 
O encontro com Guinga resultou no CD Navegante, de voz e violão, lançado em maio de 2019, trazendo 14 composições do mestre carioca em parcerias com Aldir Blanc, Paulo César Pinheiro, Thiago Amud, Anna Paes, Simone Guimarães, Luis Felipe Gama, Zé Miguel Wisnik e Chico Buarque. No mesmo ano, lançou o single autoral ´Quando será que será?´, canção inspirada pelo momento crítico do país, com participação de Anaadi, Raquel Leão, Vanessa Longoni, Marcelo Delacroix, Marcelo Freire, Marcel Estivalet e Fernando Sessé.

Inaugurando um acalentado projeto de registro de suas próprias composições, junto com o violonista Marcel Estivalet, em outubro de 2020 lançou o EP ´Dudu Sperb – Vol.1´, apresentando duas de suas canções:´Enganos´ e ´Sem nenhuma razão clara´.